Viés de sobrevivência: por que você pode não estar tão acima da média quanto pensa

Você está pronto para um desafio científico?

No vídeo abaixo, vou bater palmas para vocês e quero que adivinhem as que estou aplaudindo. Preparar? Vamos jogar:

A maioria das pessoas pensa que pode se sair muito bem nesse desafio. Mas, na verdade, eles não se saem muito bem. Por quê? Este é o exemplo perfeito de como superestimamos nossas habilidades, especialmente quando se trata de decodificar pessoas e ambientes. Compartilho este desafio com você como um bom lembrete para permanecer humilde e seguir o básico.



Por que você não está tão acima da média quanto pensa que está

Não é apenas o reconhecimento musical e a inteligência que os indivíduos confiam excessivamente. As pessoas, principalmente nas culturas ocidentais, tendem a superestimar suas habilidades na maioria das áreas. Aqui estão três das maneiras mais comuns pelas quais as pessoas se consideram muito bem.

Nós sempre pensamos que somos mais generosos e altruístas do que realmente somos

Em um experimento, oitenta e quatro por cento dos participantes disseram que cooperariam com seus parceiros designados para produzir um resultado igual para ambos. No entanto, no experimento, apenas 61% cooperou, enquanto o restante escolheu agir em seu próprio interesse. Na vida real, isso surge frequentemente quando as pessoas têm a oportunidade de ajudar os outros e se consideram o tipo de pessoa gentil e generosa que o faria, e ainda assim não oferecem qualquer ajuda porque não é conveniente para elas.

Temos um viés de sobrevivência

Viés de sobrevivência faz com que nos concentremos em nossos sucessos e ignoremos nossos fracassos. Isso contribui para o nosso excesso de confiança, porque raramente reservamos tempo para reconhecer nossos erros. Em vez disso, nosso cérebro tem reminiscências sobre as memórias de onde prosperamos, porque é nisso que é bom focar.

Achamos que nossa interpretação do mundo está correta

Por causa disso, mesmo quando falhamos, é fácil culpar outra pessoa pelo fracasso por não ser capaz de avaliar o quão grande é o nosso trabalho. Da mesma forma, em argumentos, temos a tendência de acreditar que nossa lógica é sólida e, embora pensemos que podemos entender a perspectiva da outra pessoa, acreditamos que ela está errada porque é incapaz de compreender nossa perspectiva. Se eles fossem capazes de interpretar nossa perspectiva com precisão, eles veriam que estamos certos. A outra pessoa está pensando a mesma coisa, e é por isso que às vezes pode parecer impossível resolver conflitos.

O paradoxo da competência

O que há interessante é esse o ao menos pessoas competentes são mais propensas a avaliar suas habilidades mais elevadas do que realmente são, enquanto o a maioria indivíduos competentes têm maior probabilidade de subestimar suas habilidades. Os pesquisadores não têm uma razão definitiva para isso acontecer, mas as possibilidades incluem que os indivíduos que são altamente competentes tendem a estar em funções exigentes onde há uma pressão constante para continuar melhorando e, porque muitas coisas são fáceis para eles, eles assumem que estão fácil para todos também, fazendo-os pensar que são medianos.

Outro fator que impede o excesso de confiança é quando as pessoas são forçadas a reconhecer suas falhas devido a resultados indesejados. UMA estude no Journal of Consumer Research descobriram que as pessoas tendem a ser excessivamente confiantes antes de fazerem algo, mas sua confiança cai rapidamente se elas não se saem tão bem quanto o esperado na primeira tentativa. Se houver uma segunda oportunidade, a maioria das pessoas subestima muito como se sairá bem.

Isso ocorre porque ser forçado a enfrentar o fracasso elimina uma das maiores fontes de excesso de confiança: a ignorância. Todos não pensam que são melhores do que a média porque são egoístas por natureza. Em vez disso, muitas pessoas acreditam ter habilidades superiores porque é isso que lhes é dito. A maioria das pessoas é excessivamente positiva ao dar feedback direto porque não quer ofender a outra pessoa.

Embora bem intencionado, o feedback exagerado dá às pessoas uma falsa sensação de habilidadese os machuca mais tarde.