Animação Etnográfica: Como a Realidade e a Animação Colidem

À medida que o público se torna mais sofisticado e acostumado com a 'realidade' da televisão, os animadores podem usar a ciência da linguagem corporal para ajudar a tornar os personagens mais críveis.



O futuro da animação será a Animação Etnográfica?

Os co-autores Vanessa Van Edwards, Investigadora Comportamental e Especialista em Linguagem Corporal e Kate Ertmann, Presidente e Produtora Executiva da Animation Dynamics se esforçam para descobrir.



Uma breve história da animação:

Em 1937, o primeiro longa-metragem animado chegou aos cinemas: Branca de Neve e os Sete Anões. O público amava os personagens porque se identificava com eles. Não queremos dizer que as crianças sentem que podem se ver como uma princesa - embora isso seja verdade para muitos dos espectadores - mas sim que o público pode olhar para o anão rabugento e dizer Uau, ele me lembra meu tio Joe ou olha para a rainha malvada madrasta e diga: Ela me lembra minha professora! e, por causa disso, os espectadores conseguiram suspender sua crença e esquecer que estavam assistindo a um livro de histórias desenhado à mão. Em vez disso, assim como ao assistir qualquer outro filme daquele ano - Heidi com Shirley Temple, ou O Príncipe e o Pobre com Errol Flynn - eles se envolveram com a história por causa da atuação crível dos personagens; suas ações, suas expressões faciais e as emoções que provocaram no público.

A mudança da animação: do imaginário à realidade

Infelizmente, a animação não é mais apenas animação, trata-se de retratar aspectos da realidade.

Em uma entrevista com Charlie Rose, John Lassetter foi questionado sobre a animação se tornando cada vez mais real - Lasseter interrompeu e disse que está tornando-a mais verossímil. Gosto de usar a palavra verossímil porque nunca quero produzir um mundo que as pessoas pensem que realmente existe. O que é necessário para tornar a animação mais verossímil?



Com o surgimento da televisão de realidade e o avanço da qualidade das telas, acreditamos que mais e mais pessoas exigirão animações mais realistas para torná-las críveis. A animação terá que espelhar mais de perto seu mundo real ou eles não acreditarão, especialmente se dependermos de personagens animados para vender um produto, explicar um processo ou simplesmente compartilhar uma emoção.

Combinando Ciência e Animação

Como a tecnologia permitiu que a animação amadurecesse, os personagens animados agora podem imitar melhor as emoções e a linguagem corporal de pessoas reais. A animação pode ser ainda mais verossímil do que um concorrente de reality show tentando fingir felicidade depois de perder, porque pelo menos os animadores estão no controle total dos personagens - ao contrário dos diretores de atores ou produtores de reality shows.

Se os animadores querem que seus personagens e histórias sejam verdadeiramente críveis no ambiente maduro de hoje, eles podem ter que usar novas ferramentas - usando Animação Etnográfica.



A animação etnográfica é a animação baseada em fatos. É uma animação baseada em como pessoas reais interagem com seu ambiente. A etnografia está estudando e reunindo dados sobre as culturas humanas. Como você compartilha esses dados com outras pessoas? Você pode fazer isso visualizando os dados e usando a tecnologia de animação para literalmente dar um rosto a eles. Mas os animadores devem ser fiéis à ciência em todos os sentidos. O público agora é mais capaz de saber a diferença entre uma suposta expressão animada de raiva e uma representação animada de raiva baseada na ciência. Felizmente, à medida que a animação, a tecnologia e o público amadurecem, o mesmo acontece com a ciência da linguagem corporal.

Os pesquisadores estão descobrindo que cada vez mais nosso comportamento não-verbal, expressões faciais, linguagem corporal e a maneira como nos movemos são inatos, e não aprendidos. Isso é importante para os animadores porque, se eles aprenderem as expressões não-verbais universais, podem usá-las para fazer animações etnográficas precisas, o que, por sua vez, torna a animação mais confiável.

Parceiro do Studio AKA e vencedor do Cartoon D'or, Marc Craste disse em uma entrevista recente com Tim Lindsay, Um rosto real com suas infinitas sutilezas pode absorver o público e dizer-lhe tudo o que ele precisa saber. Não é tão fácil com personagens animados, que muitas vezes precisam da ajuda de tudo o que está preenchendo a tela.

Não precisa ser assim. Sim, o rosto é complexo, mas os animadores podem capturar essa complexidade se usarem a ciência da linguagem corporal. Por exemplo, o Dr. Paul Ekman descobriu que existem sete expressões faciais universais - as pessoas em todas as culturas fazem essas caras quando sentem as emoções correspondentes. O medo é quando erguemos as sobrancelhas, piscamos o branco dos olhos e afastamos os lábios dos dentes como se fosse gritar. Isso parece o mesmo se você é americano, asiático ou africano.



O público acostumado com a realidade da televisão agora está acostumado a ver emoções mais genuínas na tela, em oposição às emoções fingidas através da atuação. Para manter a animação crível, os animadores podem usar a ciência da linguagem corporal para realçar seus personagens.

Nosso cérebro também sabe quando algo não está certo em apenas segmentos de um segundo. Como Malcolm Gladwell discutiu em seu livro, Blink, os humanos naturalmente 'cortam' ou julgam rapidamente o que é verdadeiro e falso ao nosso redor com bastante precisão. Ele nos mostra que podemos saber quais emoções uma pessoa está sentindo apenas olhando para seu rosto. Que ferramenta poderosa para animadores - usar a ciência da linguagem corporal universal para exibir as emoções de um personagem.

Mais do que apenas desenhos animados

A animação agora está sendo usada por empresas, professores e instituições que desejam ensinar e divertir. As corporações costumam produzir produtos e processos complicados, que precisam ser explicados a outras pessoas. A animação ajudou tremendamente a fornecer aos usuários visualizações claras de como um produto é usado.

A animação etnográfica não é apenas essencial para tornar a animação mais verossímil, mas também para superar as barreiras multiculturais. Por exemplo, se uma empresa internacional tem um vídeo animado demonstrando o uso de seu produto, ela precisa dele para atrair usuários de todas as culturas, em todas as formas, cores e tamanhos. A Animação Etnográfica ajuda os animadores a reduzir a linguagem corporal universal à sua essência, para que os usuários possam entender sem se distrair com as diferenças culturais. As características culturais do ser humano e do ambiente podem ser silenciadas, enquanto os detalhes que projetam especificamente a emoção e a experiência que são importantes para o enredo podem ser reproduzidos totalmente para se destacarem.

Animação do Futuro

Por sabermos que flashes rápidos - um segmento de segundo - podem emitir uma emoção verdadeira com base em estudos científicos, e que certas expressões faciais e poses corporais são universais, os animadores de personagem podem referir-se a essas avarias e refleti-las em sua arte. Eles podem realmente usar a ciência como uma forma de garantir a eficácia das mensagens - seja no enredo ou na marca do produto.

O uso da Animação Etnográfica beneficia o animador, o público e, potencialmente, o cliente, se a animação estiver sendo usada para fins de demonstração. Para os animadores, o uso da ciência da linguagem corporal elimina as suposições das expressões faciais e do corpo do personagem. Para o público, eles podem se concentrar na história, uma vez que não estão sendo distraídos pelo comportamento irreal do personagem. E para empresas, desenvolvedores de aplicativos móveis e sites que usam animação, eles podem atrair um público mais amplo usando a ciência da linguagem corporal universal.

A animação etnográfica é o futuro de dar vida às histórias.

Vanessa Van Edwards administra o ScienceofPeople.org. Ela escreve, pesquisa e fala sobre linguagem corporal, detecção humana de mentiras e comportamento das pessoas.

Kate Ertmann tornou-se sócia da Animation Dynamics em 2000, e única proprietária em 2008, levando a empresa a produzir animações inovadoras para uma variedade de necessidades de marketing, publicidade, educação e treinamento.

Citações:

http://www.charlierose.com/view/interview/12024 http://www.psfk.com/2013/03/animation-storytelling-advertising.html

Gladwell, Malcolm. Blink: O poder de pensar sem pensar. Nova York: Little, Brown e, 2005.

Ekman, Paul e Wallace V. Friesen. Desmascarando o rosto. Cambridge, MA: Malor, 2003.

Para saber mais sobre o trabalho de Vanessa, visite: ScienceofPeople.com.

Referências:

Paul Ekman (1999). Emoções básicas. Em T. Dalgleish e M. Power (Eds.). Manual de Cognição e Emoção. Sussex, Reino Unido: John Wiley & Sons, Ltd.

O detetive da mentira: o psicólogo de San Francisco tornou a leitura das expressões faciais uma ciência de Julian Guthrie, San Francisco Chronicle , Segunda-feira, 16 de setembro de 2002.

Livro: Por que as crianças mentem: como os pais podem incentivar a veracidade

Isso foi postado originalmente na coluna Huffington Post de Vanessa, leia aqui: Animação Etnográfica: Como a Realidade e a Animação Colidem